Corinthians tem propostas de encher os olhos pelos direitos de transmissão de TV

A novela sobre os direitos de transmissão de TV dos clubes, para o Campeonato Brasileiro a partir de 2025, já se arrasta desde o fim da última temporada, e já não é mais novidade para ninguém. Mas, de acordo com o jornalista Jorge Nicola, tem novidade batendo à porta do Timão.

Depois de ter negociado com Libra, Liga Forte Futebol (LFF), TV Globo e Brax, a diretoria alvinegra segue sua busca pela melhor opção para assinar o contrato sobre tais direitos. A demora na escolha, no entanto, tem surtido efeito e pode trazer grandes benefícios ao clube do Parque São Jorge.

Globo ainda não desistiu e pode oferecer uma bolada ao Timão

Depois de entrar no grupo da Libra, formado pelos principais clubes do país, o Corinthians se viu desgostoso com algumas medidas adotadas e decidiu contestar valores. Em meio a isso, cogitou assinar com a Liga Forte Futebol (LFF) e ainda bateu de frente com a TV Globo. Ao mesmo tempo, negociou e fechou com a Brax pelas placas da Neo Química Arena.

Além disso tudo, Jorge Nicola, em vídeo postado em seu canal no YouTube na última segunda-feira (18), bate na tecla que a emissora carioca ainda tenta melhorar a oferta para assinar com clube. Primeiro, Nicola noticiou que a LFF retirou sua proposta por falta de uma resposta da cúpula do Timão.

Depois, trouxe a informação de que Augusto Melo trabalha com a Globo para chegar a um valor de R$ 270 milhões por ano – ao que parece, a emissora ofereceu R$ 240 milhões com bônus anual de R$ 30 milhões, relacionados a performance.

“Brax, uma agência de marketing do Rio de Janeiro. A Brax já tem negócios com o Corinthians, foi a Brax que acertou as placas de publicidade com Augusto de Melo por R$ 240 milhões. Contrato de 5 anos, ou R$ 48 milhões por temporada. A oferta da Brax é de R$ 240 milhões pelos direitos de transmissão por ano, a Brax também se compromete a pagar R$ 30 milhões no máximo por ano, de acordo com a classificação do Timão no Campeonato Brasileiro”, disse Nicola.

Comentários estão fechados.