Leila Pereira não se omite e diz o que pensa sobre caso Daniel Alves e Robinho

A presidente do Palmeiras, Leila Pereira, convidada a ser chefe de delegação da Confederação Brasileira de Futebol nesta Data-FIFA, não se calou em meio as condenações de Daniel Alves e Robinho, por estupro/agressão sexual. Para a mandatária alviverde, isso é “um tapa na cara” de todas as mulheres.

A revolta de Leila se deu por conta da liberdade provisória concedida pela Justiça da Espanha a Daniel Alves, sob pagamento de uma fiança de R$ 5,4 milhões, e também depois da homologação para Robinho – que foi condenado na Itália – cumprir sua pena no Brasil.

Em ambiente machista, Leila dá voz às mulheres

Muitos consideram o futebol um ambiente machista. Dentro da CBF, então, a situação pode ser considerada até pior – pelos escândalos recentes, e também por ninguém ter se manifestado, até agora, sobre os casos envolvendo dois ex-jogadores da seleção brasileira.

Leila Pereira, por sua vez, foi a primeira a se pronunciar sobre isso, e como chefe de delegação da seleção masculina. A forte fala da presidente do Palmeiras foi dada à imprensa logo após a chegada do Brasil em Londres, onde encara a Inglaterra em partida amistosa neste sábado (23).

“Ninguém fala nada, mas eu, como mulher aqui na chefia da delegação, tenho que me posicionar sobre os casos do Robinho e Daniel Alves. Isso é um tapa na cara de todas nós mulheres, especialmente o caso do Daniel Alves, que pagou pela liberdade. Acho importante eu me posicionar. Cada caso de impunidade é a semente do crime seguinte”, disse Leila Pereira ao UOL.

Comentários estão fechados.