Paolo Guerrero não quis saber e pediu demissão antes mesmo de estrear

Pouco depois de ser anunciado como novo reforço do César Vallejo, clube do Peru – país Natal do ex-atacante do Corinthians -, Paolo Guerrero surpreendeu à todos e anunciou seu pedido de demissão. Tudo por conta de uma ameaça de morte sofrida por sua mãe.

Depois de conquistar a Copa Sul-Americana pela LDU, na última temporada, e colecionar passagens marcantes por clubes grandes do futebol sul-americano e europeu, Guerrero havia decidido retornar ao seu país de origem, para – quem sabe – pendurar as chuteiras em casa. O desejo, no entanto, não saiu como o esperado.

“Ele está avaliando (entre) a família e o futebol”

Contratado com pompas de principal nome da temporada do César Vallejo, Guerrero seria o jogador mais bem pago do Peru, com um salário que girava em torno de 100 mil dólares por mês – além de casa na praia, segurança pessoal e voos em primeira classe para visitar a família.

O entusiasmo, porém, durou pouco. Logo depois de ser anunciado como novo reforço do clube peruano, Guerrero disse que sua mãe começou a sofrer ameaças por telefone, e isso fez com que o ex-atacante do Timão desistisse do negócio, antes mesmo de sua estreia. O que foi defendido pelo presidente do César Vallejo, que antes disso chegou a envolver o ministro da Defesa para resolver tal questão.

“Eu entendo o Paolo (Guerrero). No mesmo dia em que ele assinou o contrato, os criminosos ameaçaram a mãe dele. Acho que ele está meditando, está avaliando (entre) a família ou o futebol. Eu faria isso. Ligaram para a mãe dele e a ameaçaram”, disse em nota oficial.

Comentários estão fechados.